Em fevereiro de 2018, na faixa de Blocboy JB “Look Alive” Drake disse “I’ve been gone since like July, niggas actin’ like I died”. Na carreira do rapper isso é realmente uma eternidade, tendo se tornado o maior nome da música na atualidade e estando presente nos ouvidos do público com álbuns, mixtapes, hits virais ou feats com artistas consagrados ou novatos. Desde 2009, quando lançou seu primeiro projeto comercial, apenas em 2012 e 2014 o rapper não lançou um novo projeto, tendo em todos os outros anos alimentado seu público com um álbum de estúdio, mixtape ou apenas uma “playlist”, como ele chamou “More Life”.

Enquanto trabalha em seu novo álbum de estúdio, Drake lançou pelo segundo ano seguido um “pacote de músicas”, dessa vez indo além nas táticas para reduzir as expectativas do público e chamando de demos. Enquanto “Care Package” reunia tracks antigas e b-sides do início de sua carreira que flutuavam pela internet de alguma forma, “Dark Lane” conta com uma série de singles recentes, alguns leaks e uma ou outra faixa inédita que o artista tinha e não pretendia soltar em seu próximo álbum. Ao contrário de seu fraco antecessor, esse pacote conta com mais acertos que erros, sendo uma montanha russa de canções sem muita conexão temática ou estética. Seu grande benefício é não ter 20 ou mais faixas, sem divisão em lado A e lado B, marcando confortáveis 49 minutos (em oposição à sofrível uma hora e meia de “Scorpion”).

O trabalho se inicia com “Deep Pockets”, uma das faixas que já flutuavam pela internet, que é uma das melhores do disco. Bom beat, boa letra e excelente performance do artista em sua vibe mais introspectiva, entretanto, mostra já um defeito que é visto algumas vezes ao longo do projeto: o acabamento é pobre, deixando a desejar aqui na mixagem. Em sequência vem a dupla “When To Say When” e “Chicago Freestyle”, duo que o MC já tinha lançado em versões encurtadas no início do ano em um videoclipe, encaixando bem com uma vibe mais calma e o MC mais introspectivo. Enquanto a primeira é apenas ok, contando com um belo sample não muito bem aproveitado, e não merece grande destaque se não por algumas linhas do rapper (Look, we can argue back and forth, but who’s the richer man? / Isn’t that what matters in this world that we livin’ in?”); a última é um grande destaque no disco, com um feat incrível do cantor Giveon, bons versos de Drake – inclusive interpolando Superman, de Eminem – e um dos melhores beats do álbum.

Uma das faixas mais interessantes do projeto vem na sequência em “Not You Too”, que não só o é por contar com uma das melhores performances vocais de Drake em anos (soa como algo gravado na época de “Scorpion” e melhor que quase tudo naquele disco) e com uma vibe melancólica muito bem escrita, mas também por ter Chris Brown, conhecido por ser um grande cantor (e um homem desprezível), aparecendo apenas nos backing vocals.

Infelizmente, o começo promissor é sucedido por uma sequência de bolas fora: “Toosie Slide”, independente do hit mundial que virou, ainda é uma faixa mal escrita, mal produzida e mal performada, servindo única e exclusivamente pra virar um chiclete a qualquer um que a ouça; “Desires” é talvez a pior colaboração de Drizzy com Future; por fim “Time Flies” é só uma tentativa básica e desinteressante de repetir “In My Feelings”.

As coisas voltam aos trilhos com duas bangers: “Landed”, embora não conte com uma escrita interessante, tem beat e flow batendo forte. Depois, vem o ponto alto de todo o trabalho, “D4L”, uma ótima colaboração do MC com Young Thug e Future, onde os 3 basicamente se divertem em cima do beat usado em “2nd To None” de Dreezy e 2 Chainz (sim, é uma rapper chamada Dreezy, não o apelido de Drake). A química entre os três na faixa é excelente, com Thugga dando o tom e Future matando no final.

Depois disso, há a maior decepção musical do ano: “Pain 1993”. A track vinha cercada de um hype absurdo, sendo uma aguardadíssima colaboração entre Aubrey e o inventor da música, Playboi Carti. Com um bom beat de Pi’erre Bourne e o dono do disco se forçando a entrar na linha de Carti, a faixa vinha bem até o convidado arruiná-la completamente, levando sua estética baby voice muito além do extremo e sem falar nada com nada. Por sorte a equipe do rapper teve a inteligência de colocar logo após desta faixa “Losses”, a canção mais drakeana possível, com ótima produção, letra e performance tanto em voz como flow. A montanha russa segue com “From Florida With Love”, completamente descartável, não tendo nada minimamente interessante e ainda mal mixada.

Não seria um projeto de Drake se não tivesse um pouco de apropriação. Depois de se arriscar até no funk brasileiro, agora o MC ataca o drill: a mixtape se encerra com “Demons” e “War”, a primeira com feats de duas promessas da versão brooklyana do gênero, Fivio Foreign e Sosa Geek, e a segunda ataca mais o estilo britânico. Depois de muitas críticas por usar sotaque e expressões comuns da Jamaica, agora Drake força a barra com a prosódia britânica de forma totalmente desnecessária, embora as duas tracks tenham valor.

Em meio a esses altos e baixos o rapper sempre surge com algumas linhas no mínimo questionáveis.  Em “Desires” ele é tão bizarro e assustador que a polícia deveria investigar o cara depois dessa, com frases como “I should have put you somewhere where no one could find you” e toda a canção em tom ameaçador a uma mulher que o deixou. Em “When To Say When” ele diz “Michael Jackson shit, but the palace is not for kids”; incrível como o mesmo cara que é frequentemente atacado na internet por ter relacionamentos estranhos com mulheres menores de idade disse algo assim. Ah, e “man went PC (Protective custody) just like Dell and Windows”, de “War” é uma das linhas mais corny de toda a carreira do artista.

Quando Drake não tenta muito aparentemente é quando sai o melhor dele. Assim como foi em “If You’re Reading This It’s Too Late”, mixtape considerada por muitos o melhor trabalho dele, o rapper trouxe um projeto mais simples, direto e com músicas despretensiosas, com as quais Drake tem liberdade pra explorar seus talentos, sem forçar um ar de grandeza e luxo que contribuiu pra destruição de seus projetos recentes. Mesmo sem tentar ser e mesmo sem ser muito consistente, Dark Lane Demo Tapes é o melhor projeto do MC nos últimos 5 anos.

Author: JH

Fã de rap