Fala, seus Vuaden! Finalmente temos review, e review minha, eu que não escrevia tem bastante tempo e o mais importante: ÁLBUM DO IDK!!! Eu tava muito hypado pra esse release, desde que ouvi o IWASVERYBAD, que é unanimidade dentro da equipe do site, todo mundo gosta muito desse álbum. Então, sem mais delongas, vamos falar de Is He Real?

Pra você que tá se perguntando de quem ele tá falando no título do álbum, é sobre Deus. Fiquei bem curioso como ele abordaria essa descrença no decorrer do projeto, ouvindo, no início, esse conceito é apresentado somente em interlúdios como na intro “Cloud Blu” e de forma bem superficial e chata pra ser honesto. Tipo, papo de ateu que recém se descobriu ateu, saca? Mas, conforme vamos chegando no final do play, principalmente nas últimas duas faixas, você enfim entende o porquê desse conceito e finalmente se aprofundando mais nele, isso sem contar a belíssima “European Skies“.

The bible say beatin’ my dick and killin’ is equal
But that don’t add up, ’cause the amount of times
That I milk my shit I’ll probably be considered serial (“Porno”)

Sempre vi uma certa inspiração do Kendrick no IDK, pela forma como ele construiu uma narrativa no IWASVERYBAD e em como ele mescla sons de diferentes estilos, de forma que tudo faz sentido sonora e conceitualmente, características estas que mais admiro no K.Dot e, por tabela, acabo gostando muito do IDK. No álbum em questão, senti que esse lado dele tendeu mais pro sonoro, como por exemplo a transição super fluida entre “Alone”, que é uma track calma e instrospectiva, pra 24, que é um puta banger, inclusive um dos singles. Esse tipo de transições fazem com que ele consiga flutuar por vários temas e sons de uma maneira bem natural.

Comparado ao seu antecessor, Is He Real? traz um IDK mais maduro artisticamente, principalmente na construção dos seus sons, que não são hard-hittin como “December”, o mais próximo de uma love song desse álbum, onde o IDK droppa vocais lindos demais, mostrando uma versatilidade fodida. No mais, muita coisa ele carregou do projeto anterior, suas skills, a escolha de produções, os refrões incríveis, inclusive a capa com animais, e isso, nem de longe, é algo ruim. Depois de um debut tão bom, o artista tem que seguir por algum lugar e fico feliz com o caminho que o IDK tomou nesse projeto que sobreviveu às minhas altas expectativas.