Nesse vigésimo primeiro dia de setembro, segundo o calendário humano-relativo, completei 30 anos. Embora seja alheio às convenções sociais e não veja sentido em comemorar mais um ano vivido e menos um ano de vida, ainda gosto um pouco da data, pois me proporciona momentos como: ficar deprimido ao constatar o avanço da idade e o retrocesso em todo o resto, lidar com o esquecimento de pessoas próximas, trocar presentes que não servem, receber cupons de desconto de lojas virtuais e não ter grana pra fazer compras com eles. É, pensando bem, não gosto tanto assim… Mas, pra não extrapolar a chatice e cumprir o compromisso de atualizar este sítio virtual, trago-lhes uma listinha com alguns raps/R&Bs/afins aniversarianescos sobre diferentes perspectivas – tem musiquinha pra dançar, trepar, refletir e o que mais cada um tiver vontade. Pegue seu copo de plástico e entre na fila do bolo!

Importante: só incluí o que gosto e/ou acho condizente com a proposta, portanto desconsiderei algumas músicas conhecidas, como In Da Club (só a introdução é relevante), Birthday (chatona), Birthday Song (além de várias linhas toscas, a ingratidão sobre receber uma famigerada “brusinha” de presente me deixa puto), Birthday Girl (baita rolê aleatório, pois, além do vocalista da Fall Out Boy no refrão, tem a Sasha Grey no vídeo insinuando um gangbang, mesmo com a letra dizendo que a personagem tem 17 anos e que a internet pode ser perigosa), Happy Birthday (o cara lamenta ter concordado com um aborto, sem qualquer contexto, e soa como algo que agradaria a “família tradicional”), Birthday Cake (nem é o aniversário dela de fato), entre outras.
 People Under The StairsToo Much Birthday (faixa 6 do álbum Highlighter, 2011)
Se, assim como eu, você foi educado/a na pré-adolescência com rap noventista, provavelmente, conhece esse duo californiano. Percussão boom bap, riscos, colagens, trompete, leve embolação harmônica, enfim, aquela fórmula clássica que garante o fluxo de uma confraternização amistosa.

 Trey Songz & FabolousSay Aah (faixa 7 do álbum Ready, 2009)
Certamente, você já deve ter ouvido algo do Tremaine, nem que seja o refrão de algum rap feito pós-2005. Esse foi o single de seu terceiro álbum, angariando o nono lugar do top 100 da Billboard daquele ano. Ah, o rapaz “fabuloso” também possui uma música sobre o tema, porém é terrível. Com produção, estrutura e estética mais voltadas pra “pista”, a ambiguidade sexual garante o fluxo de uma baladinha flertosa.

 JeremihBirthday Sex (faixa 2 do álbum Jeremih, 2009)
Em dúvida sobre o que dar de presente? “Dar” pode ser um ótimo presente. Infelizmente, precisarei fazer uma crítica aqui: a última faixa desse álbum é uma remixagem desnecessária. Aliás, Songz também fez sua versão da obra – é incrível como o mundo é interconectado e o R&B tem o poder de despertar o chakra pélvico.

• Kristoff KraneBirthday Song (faixa 6 do álbum Fanfaronade, 2012)
It’s My Party é uma tradicional canção americana, originalmente escrita por Seymour Gottlieb (cujos direitos foram compartilhados entre os compositores Herb Weiner, John Gluck e Wally Gold) e gravada por diversos artistas, desde a década de 60. Uma das versões de maior sucesso foi uma produção de Quincy Jones com vocal de Lesley Gore. Assim como Fabolous, Krane referencia tal obra. É interessante como a letra soa propositadamente juvenil, sublimando nossa dualidade entre idade física e mental, maturidade e infantilidade. Enfim, havendo ou não festa, chore se quiser.

• Raleigh RitchieBirthday Girl (faixa 17 do álbum You’re A Man Now, Boy, 2016)
Talvez você não conheça o trabalho musical de Jacob Anderson, porém o reconheça como o personagem Grey Worm (Verme Cinzento), na série Game Of Thrones. Subvertendo o contexto, acompanhamos um casal numa floresta (repare como todo o cenário descrito é metáfora/analogia a ambos) caminhando para um possível término, pois o interlocutor se esqueceu do aniversário de sua parceira. Fica o lembrete para que não se esqueçam de lembrar que não devem esquecer datas importantes.

• Mac MillerHappy Birthday (faixa 10 da mixtape Faces, 2014)
Exceto pela parte sobre ser viciado em drogas, é a música dessa lista com a qual mais me identifico, justamente por melodiar alguns conflitos internos, paralelos a eventos exteriores. É nessa hora em que percebe-se que a piada é séria. Rap In Peace, Malcolm.

Calma, não vá embora ainda… BÔNUS SURPRESA!
• Sandy & Júnior & XuxaRap Do Aniversário (faixa 1 do álbum Você É D+!, 1995)
O rolê não poderia acabar sem brasilidade, sem um pouco do nosso folclore. Destaque pro verso progressista de Maria Da Graça, incentivando interação interpessoal, desprendimento social e pluralidade cultural.

Quer me presentear? Fortaleça nesses links: TwitterTwitchYouTubeBandcamp. Ou, simplesmente, me dê um abraço quando nos esbarrarmos por aí. Tchau! 😘

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.