Waaaaaaaaduuuuuuuuup sauce, suave? Shaq por aqui e hoje sem mais delonga vamo curtinho igual o trampo de hoje.
BEWARE THE BOOK OF ELI, do $ki Mask The Slump God, a tape do MC da Flórida saiu no comecinho do mês e só agora tive tempo pra dar uma atenção e fui surpreendido positivamente com um trampo curto (20 minutinho), engraçado, diverso e cheio de referência à cultura pop.
Apesar de achar que isso é meio “combinado” acho importante citar a forma que a tape “vazou” pelo próprio Ski Mask, que disse que insatisfeito com os empresários que estavam atrasando o projeto e postou o nome e capa no instagram, condicionando o lançamento à marca de 40 mil likes (que conseguiu em menos de meia hora).
Uma coisa que chamou bastante minha atenção, na segunda ouvida do trampo foi a quantidade de referências à cultura pop no geral, Ski citando Rick and Morty, Family Guy, Street Fighter, um milhão de doces diferentes famosos nos 90’s, e misturando todas essas referências com misoginia (sério tem muita referência de boquete mano, ele tem talento pra isso) e ao mesmo tempo mandando um grande foda-se pra alt right e supremacistas brancos, dessa mistura bem loca aí com uns beats bem bounce (produziram Natra Average, Murda e Timbaland) saem uns bangers de qualidade tão liberado pra pôr no rolê.
Ainda sobre o posicionamento contra racistas na tape, Ski consegue mandar shots o tempo todo, de muitas formas diferentes que requerem uma atenção especial e rendem umas boas risadas pela criatividade extra, fica destaque pras faixas Coolest Monkey In The Jungle (que trata daquele caso de racismo da H&M) e Suicide Season

Bitch I’m smooth like grape in juice, okay
You smooth like pulp in O and J
I killed that pussy like O and J
Like A-ok, Like A-ok
My hunting rifle, A-ok
I’m hunting down the KKK
Tell their mothers and aunties that I am free today (aye)

A estrutura de construção das músicas me chamou atenção por serem bastante parecidas e deixam uma sensação de rapidez nas tracks, apesar de não ficarem rasas, com dois versos curtos e entre eles dois refrãos, que na maioria das faixas são chicletes e pra não soarem repetitivos a delivery é bem diversificada durante toda a tape, nem sempre mantendo a mesma métrica, os 20 e pocos minutos passam parecendo que foram só 5.
Vale a pena a ouvida, que apesar de rápida tem perolas do tipo essa linha:

I feel like the Packers logo, I’m a G (what)

 
E como disse ali pra cima, várias referências à cultura pop em geral, que sempre são muito bem-vindas.
 
É isso aí mes ami. Em breve tem mais!